Thursday, February 12, 2009

expectador de mim


Pensava que fosse alguem, so agora percebo que sou apenas um expectador da vida.
Vejo tudo por essas janelas que, por verzes turvas nao diferenciam azul de verde ou amarelo de branco.
Sou o que grita no opaco da hipermetrofia e quem cega-se no clarao doloroso do astigmatismo. 
Sou aquele a quem voce nunca escuta, a voz que rispida esbraveja desejando que a mensagem transpasse estes escuros e castanhos olhos.
Sou aquele a quem chamariam de razao se voce aparentase ter alguma, sou a voz da tua consciencia.
Viver sem minha logica eh tao doloroso, traz tantos infortunios. 
Por que confiar em sentimentos que sao tao traicoeiros e confusos se o que te resta sou eu e tuas lagrimas.
As lagrimas nao sou eu quem causo...
Perca-se de si, deixe o velho partir. 
Quem antes partiu nao pode te condenar por ter partido depois, o abandono do abanado justifica-se por si so.
Se vier comigo e ouvir o que tenho a dizer renascera, com precisao e retidao alcancara tudo.
Sei que cada um eh que sabe as dores e prazeres de ser quem eh, mas os prazes tem mesmo superado as doroes?
Nao seria hora de mudar?
Voce esta parado a porta e nao quer abrir porque sabe que se atravessar nao sera mais o mesmo.
Dispa-se de si, esqueca quem foi ate aqui. Seu valores precisam mudar e as mudancas as quais resistiu ate agora sao inevitaveis.
Chore agora, deixe o coracao de lado, e sorria amanha... ou coninue sorrindo e chorando intermitentemente sem chegar a lugar algum. Porque posso assegurar essa sensacao de "nao esta acabado ainda" ou de "vai chegar a hora em que vamos nos reencontrar e tudo vai se resolver", acredite o tempo passa e leva tudo com ele. As pessoas deixam de ser quem sao e o que amavam muda, logo deixam de amar.
Eh chegada a hora, minha hora. Liberte-me, viva pela razao daqui em diante e aprisione teu coracao aqui por tras desses astigmatizados e opacos olhos, deixe que ele nao compreenda mais o que a diferenca entre azul e verde e amarelo e branco.

3 comments:

  1. A entrega é tão dificil. Me questiono a respeito disso. Pois sentir é tão fácil, não entendo porque insistimos em dificultar a entrega. O medo acaba paralisando as situações. O que dizer do silêncio? Se ele fosse realmente essencial, os fabricantes de armas nao fariam produções de armas com silenciadores, elas matam e não fazem barulho. As vezes o silêncio é assim, como as armas e seus silenciadores.

    (ual, que viagem!)

    ReplyDelete
  2. Gostar e relacionar-se tem um pouco de daltonismo, cegamos e não diferenciamos as matizes e as paletas que configuram a entrega, às vezes silenciosa e recheada de expectativas.
    O próprio Caio Fernando Abreu afirmava que amor e razão são indissociáveis, assim como óleo e vinagre, por isso sempre vivemos na espera do que "pode ser', eterna e dolorosamente.
    O tempo cura, sara, mas as lembranças martelam como uma enxaqueca, numa incessante sensação de incomôdo que passa, mas está sempre presente em nossa vida, assim como uma constituição física.
    O "não esta acabado ainda" ou "vai chegar a hora em que vamos nos reencontrar e tudo vai se resolver" é uma intersecção de engano, um alimento que não sacia a sede de renovação e reinvenção de si.
    Superar-se é a lei.

    ReplyDelete
  3. Conheci o blog atraves de um amigo muito especial! Vou passar a visita-lo mais vezes! todos os posts sao otimos! parabéns por conseguir expressar sentimento tao bem!

    ReplyDelete